sexta-feira, 18 de agosto de 2017

A misteriosa onda OVNI Belga ainda desperta interesse dos investigadores

Se OVNIs e extraterrestres existem? Este será certamente um dos mistérios mais interessantes da história do fenómeno OVNI.

"Apenas cerca de 5% dos casos de avistamentos de OVNIs por todo o mundo pode integrar este grupo porque é um objeto voador não foi identificado. 95% são identificados como aviões, satélites, meteoros, balões e até mesmo lixo espacial.

"Negar o fenómeno OVNI é ridículo. Existem inúmeros documentos conhecidos sobre o incidente observado por militares, polícias, pilotos militares e civis na Bélgica entre 1989-1992 ". 

A 3 de Maio de 1990, o Centro Belga de vigilância e radar da Força Aérea que abrange o  Tratado do Atlântico Norte Organização (NATO) está localizado na 3 Glons detectando três objetos voadores a entra no espaço aéreo nacional na Europa. 

Imediatamente, dois F-16 aviões de combate da beauvechain são enviados para interceptar o determinado objeto voador não identificado. 

No entanto, antes dos dois F-16 se aproximarem, os três objectos misteriosos parecem se "evaporar" a velocidades que ultrapassam a capacidade do ser humano. 

De acordo com a declaração do general Wilfried de Brouwer da Força Aérea Belga, um dos OVNIs aumentou a velocidade de 240 kmh para 1,770 kmh em apenas 2 segundos." 

"O facto de você ver um OVNI não significa que a sua real origem seja extraterrestres ou algum tipo de viajantes do tempo. 

Por outras palavras, temos casos de outros avistamentos, com inúmeras hipóteses sobre a sua origem. " 

As imagens de radar efectuadas são confiáveis, devido a este tipo de equipamento enviar reflexos de coisas reais que na verdade não são identificadas.

Os anos passam, mas a onda OVNI Belga, ainda persiste na memória de muitos milhares de belgas.

Os investigadores por sua vez consideram a história genuína e única pelo facto de ter sido reportado por inúmeras entidades quer militares quer civis e até algumas entidades do governo na época.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Avistamento de OVNI no Brasil em 1972

A julho de 1972, um militar, e familiares juntamente com outras pessoas observaram um Objeto Voador Não Identificado numa estrada no estado de Minas Gerais, durante uma viagem de autocarro "Buss" do Rio de Janeiro para a Bahia.

O militar enviou um relato ao Ministério da Aeronáutica, informando o avistamento, inclusive com detalhes sobre o objeto.
O militar disse que já havia observado um objeto similar anteriormente, mas como se encontrava sozinho, pouco comentou sobre o ocorrido.
Porém, desta vez, diversas pessoas testemunharam o fenómeno e ele julgou ter o dever de relatar o que viu.

Na imagem, a primeira página do relato. Documento anexo ao Encaminhamento n° 20/CIH/72 da Divisão de Informação e Segurança do Centro de Instrução de Helicópteros.

Ministério da Aeronáutica, 6 de setembro de 1972. Fundo Objeto Voador Não Identificado.

www.arquivonacional.gov.br

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Rússia: O fenómeno de Petrozavodsk e Voronezh

A maioria dos avistamentos de OVNIs foram ligados a experiências militares que foram confundidos com objetos vindos do espaço. No entanto, há casos que não podem ser descartados tão facilmente. Talvez o caso mais bizarro tenha ocorrido em Petrozavodsk (a cerca de 700 km a noroeste de Moscovo), em 1977.

Nma noite de Setembro, cerca de 200 pessoas na República da Carélia viu um objeto voador estranho rodeado por uma luz branca brilhante. Parecia que uma nuvem que emitia cores claras e que se deslocam de leste a oeste.
Diz-se também que houve avistamentos semelhantes em Leningrado, região de Leningrado, Helsínquia e noutros lugares na Finlândia e outros territórios próximos.
O caso ficou conhecido como o "fenómeno Petrozavodsk" e disse que estava relacionado com o lançamento de um satélite a partir do Cosmódromo de Plesetsk (cerca de 800 km a leste de Moscovo), realizado naquela noite.
No entanto, Lev Gindilis, cientista recolheu informações sobre o incidente na Academia Soviética de Ciências e concluiu que, devido à direção em que ele se movia, o tamanho e a velocidade não era de um satélite ou foguete. "Não é viável para entender com sucesso este fenómeno , " escreveu no seu relatório.
Quase 50 anos depois as suas palavras continuam a verdadeiras confirmando que algo ocorreu e não foi de origem humana.

Acontecimentos estranhos em Voronezh e no Extremo Oriente

Em 1989, quando a URSS estava prestes a cair, foi relatado um evento muito estranho na região de Voronezh (a cerca de 450 km a sul de Moscovo).
Um grupo de crianças disse ter visto um objecto "nave espacial" abaixo do parque onde elas se encontravam, do interior desse objecto sairam três tripulantes.
De acordo com as crianças, um dos seres tinha "um tubo como arma 50 cm de comprimento" e chegou mesmo atacaram um deles antes de sairem do local a correr.
Embora as crianças tenham sido as únicas a ver este incidente, existem adultos que afirmaram ter visto um OVNI naquele dia, então o caso atraiu a atenção da mídia.
Não foram encontradas impressões digitais ou marcas no local - excepto um nível relativamente elevado de radiação na área onde tinha alegadamente ocorrido o pouso da nave.

domingo, 13 de agosto de 2017

Triangulo Preto no Verão de 2004 em Cascais

Correio dos leitores...

Decidi hoje entrar em contacto com vocês para partilhar esta história com pessoas que sabem do que falo de uma forma muito resumida.
Não sei precisar em que dia foi mas sei que foi no verão de 2004 numa noite por volta da 02h30 da manhã.
Tinha acabado de jantar em casa de umas amigas com um grande amigo Carlos Sousa, estávamos os dois a conversar na rua isto eram umas 2h30 da manhã quando começo a espreguiçar e olho para o céu vejo um objecto de forma triangular com 3 luzes laranjas que nem pareciam luzes nem fogo pareciam lava ou algo vivo pois estavam em movimento circulares a passar muito baixo sem barulho algum por cima de um prédio de 10 andares. Deu para reparar bastante bem pois estava a voar baixo, quando reparei no objecto exclamei " o que é aquela me...." para o meu amigo quando ele olhou assustou-se e por breves segundos chegou a correr atrás do Ovni mas como estávamos num local com bastantes prédios deixámos de o ver. 


Após uns minutos uma das nossas amigas veio á varanda e perguntou o que estávamos ali a fazer ao qual o Carlos respondeu que tínhamos visto um ovni, como ela ficou a pensar que estávamos a gozar com ela chamou-nos para beber um café e quando estávamos a relatar o que tínhamos visto elas pediram-nos para desenhar o que tinhas visto um  desenhou em cada papel e basicamente desenhamos o mesmo.


Posso dizer que sempre acreditei em vida E.T, mas esta situação deixou-me uma pouco confuso pois não estava preparado, posso dizer que nessa noite nem dormir e no dia seguinte fui investigar, encontrei registos de um Ovni parecido na Belgica preto de forma triangular.
Se é made by man ou não, não sei explicar mas tanto eu como o meu amigo sabemos o que vimos.
Fica aqui o meu relato não sou de expor a minha vida e até comentei com Carlos " que se algum dia falarmos disso vão pensar que estamos a brincar" , também posso dizer que levo uma vida limpa sem alcool e sem drogas.
Bruno Nunes

Em 2016 era observado em Santo André um outro aparelho com a mesma descrição.

Se observou algo de anormal no céu não hesite em nos contactar via: ufo_portugal@sapo.pt 

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Buzz Aldrin: Vida extraterrestre é uma certeza

Buzz Aldrin, um dos pilotos e acadêmicos mais conhecidos como o segundo ser humano a pisar outro corpo celestial, é popular em vários círculos. 

A sua participação na história fazendo a missão Apollo 11 valeu lhe, um lugar no coração dos Estados Unidos e no mundo, e a suas aparições em filmes como "Transformers" e programas de TV como "30 Rock" ajudaram a manter o seu nome fresco nas mentes daqueles de nós, olhe para a lua nas noites claras e se deleite com a idéia de que nós já lá estivemos. 

Em 2005, no entanto, Aldrin tornou-se o homem mais popular num demográfico ligeiramente diferente, quando admitiu em documentário do Science Channel chamado "First on the Moon: The Untold Story" que ele e Neil Armstrong haviam visto um OVNI durante a sua viagem histórica.

Enquanto Aldrin não era o único astronauta a reivindicar ter visto algo incomum pelas janelas da nave espacial americana, ele certamente era o perfil mais alto. 
Para muitos, ter um nome como Buzz Aldrin, não só o segundo homem a caminhar na lua, mas um destinatário doutorado do MIT na Astronáutica, deu o conceito de extraterrestres visitarem a terra num nível de credibilidade que nunca tinha tido antes. 

Embora o consenso científico de hoje é que a vida extraterrestre é extremamente provável nas grandes extensões do universo, não foi há muito tempo que mesmo ao mencionar tal coisa era suficientemente para fazer você rir de uma séria conversa científica.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Áudio de intercessão de pilotos caça a OVNI na Inglaterra


Em 2012, dois pilotos americanos de caças F-15 são acionados para interceptar um OVNI na Inglaterra após a sua detecção em Radar.

Após o incidente, o Ministério da Defesa Britânico alegou serem balões, os pilotos militares envolvidos negam as afirmações "balões", mas sim algo mais, da qual por, interesse do Governo a ordem é negar, mentir, ocultar, desinformar desviar as atenções do fenómeno OVNI.

Áudio original dos pilotos



Intercetar balões terá sido uma das piores desculpas por parte do Ministério da Defesa Britânico.


segunda-feira, 7 de agosto de 2017

40 anos envolvidos em mistério e secretismo "Operação Prato" Brasil

Raios luminosos e moradores apavorados: a maior operação militar brasileira para investigar discos voadores
Ufólogos relembram os 40 anos da Operação Prato, que mexeu com moradores dos arredores de Belém até hoje é cercada de mistério - e teorias da conspiração.

Naquele 5 de dezembro de 1977, o capitão da Aeronáutica Uyrangê de Hollanda Lima estava ansioso. Afinal, ele tinha mais uma reunião com o brigadeiro Protásio Lopes de Oliveira, comandante do 1º Comando Aéreo Regional (Comar 1), de Belém. Pela primeira vez desde que começara a investigar a suposta aparição de discos voadores na região do Pará, o capitão Hollanda teria o que relatar aos seus superiores.
Nas ocasiões anteriores, sempre que alguém lhe perguntava se tinha visto algo estranho, limitava-se a dizer: "Vi luzes. Nada mais". Daquela vez, porém, o capitão Hollanda e o sargento João Flávio Costa tinham avistado, poucos dias antes, um "troço enorme", de uns 100 metros de comprimento, sobrevoando o rio Guajará-Mirim.

Distante 70 metros da embarcação onde estavam, o tal objeto, no formato de uma bola de futebol americano, "grande e pontuda", tinha sido fotografado e filmado pelos militares. Não havia mais dúvida: era um objeto voador não identificado (ovni). E, no interior dele, supostamente havia uma "criatura extraterrestre".
Na hora da reunião, o brigadeiro Protásio não compartilhou do entusiasmo do capitão Hollanda. Pelo contrário. Depois de ouvir atentamente a história, mandou suspender a operação. Sua decisão, até hoje, intriga ufólogos.
"Infelizmente, todos os militares que participaram da Operação Prato já morreram. O último, aliás, foi o capitão Hollanda", lamenta o jornalista e ufólogo Ademar José Gevaerd, editor da revistaUFO . "A Aeronáutica afirma que todas as informações relativas à Operação Prato já foram disponibilizadas, mas não acredito nisso", afirma.

Em agosto de 1997, Gevaerd recebeu um telefonema do capitão Hollanda, querendo agendar uma entrevista. Na mesma hora, ele e o coeditor da revista, Marco Antônio Petit, viajaram até Cabo Frio, na região dos Lagos fluminense.
'Queria te guardar em um potinho': as piadas de humor negro que conquistam milhares de fãs para cemitério do PiauíO que faz o mel ser 'eterno' e não estragar?
Em casa, o coronel reformado contou detalhes da operação. Voltou a relatar os seus muitos avistamentos, admitiu que teve medo de ser abduzido e revelou que a investigação foi amplamente documentada. Só de fotografias havia mais de 500. Isso sem falar das 16 horas de filmagens (nos formatos Super-8 e Super-16) e de um calhamaço de 2 mil páginas de relatórios.
"Aquele monstro azul, embora tivesse um brilho muito forte, podia ser olhado diretamente sem que ardessem as vistas", declarou à revista UFO .
Dois meses depois de conceder a bombástica entrevista, o coronel Hollanda tirou a própria vida, enforcando-se no quarto de casa com a corda do roupão. Houve quem especulasse que ele teria sido assassinado por revelar informações sigilosas e colocar a segurança nacional em risco. Ou, ainda, quem assegurasse que Hollanda não morreu: apenas mudou de identidade e deixou o país.
Gevaerd rebate essas versões. "Não acredito em queima de arquivo ou teoria da conspiração. Ele já havia tentado o suicídio antes", diz.

'Raios luminosos'

Por essas e outras razões, a Operação Prato continua a ser apontada por ufólogos do Brasil inteiro como um dos mais intrigantes casos de avistamento de ovnis já registrados no país. Os primeiros relatos começaram a surgir em setembro de 1977.
Os habitantes de Colares, Mosqueiro e Ananindeua, entre outros povoados de Belém, garantem ter sido atacados por "raios luminosos" vindos do céu.
"Dois orifícios paralelos, como se agulhas tivessem penetrado a pele das pessoas", descreveu a psiquiatra Wellaide Cecim Carvalho, então diretora da Unidade de Saúde de Colares, vila de pescadores a 96 km da capital, à equipe do programa Linha Direta - Mistério , exibido em 25 de agosto de 2005.
Segundo relatos da médica, os pacientes davam entrada no posto de saúde com sintomas de anemia, tontura e febre e, ainda, marcas de queimadura de primeiro grau pelo corpo. Logo, o fenômeno foi apelido pelos ribeirinhos de "chupa-chupa" ou "luz vampira".

"Nunca me esqueci do pânico estampado no rosto das pessoas que diziam ter sofrido ataques por luzes que desciam dos céus e extraíam sangues delas", recorda o jornalista Carlos Mendes. Escalado para cobrir o caso pelo jornal O Estado do Pará , calcula ter entrevistado 80 testemunhas.
Tomados pelo pavor, os moradores da região se uniram para afugentar os invasores. Não passava pela cabeça deles que o intruso pudesse ser de outro planeta. A hipótese mais provável era obra do demônio ou castigo divino.
À noite, famílias inteiras acendiam fogueiras, batiam latas e soltavam fogos de artifício. Outras, mais religiosas, rezavam o terço. Outras, ainda, empunhavam paus, pedras e espingardas. Diante do desespero da população, o prefeito pediu socorro às Forças Armadas.

Foi quando o coronel Camilo Ferraz de Barros, chefe da 2ª Seção do Comar 1, convocou o capitão Hollanda, então comandante do Para-Sar, um esquadrão de elite da Força Aérea Brasileira (FAB) que realizava operações de busca e salvamento, para chefiar a missão.

'Castigo divino' x 'ação comunista'


Durante quatro meses, Hollanda e seus homens permaneceram no litoral do Pará, munidos de binóculos, câmeras fotográficas e máquinas filmadoras, entre outras engenhocas. De dia, entrevistavam as vítimas dos ataques e as testemunhas dos avistamentos. À noite, se revezavam para monitorar o céu.
"A Operação Prato foi a maior missão militar para investigar ovnis de que se tem notícia no mundo", classifica Gevaerd. Thiago Luiz Ticchetti, presidente da Comissão Brasileira de Ufólogos (CBU), concorda: "O que mais me impressiona é o fato de termos investigado algo tão incrível e, ainda hoje, não sermos capazes de explicar o que aconteceu."
A equipe chefiada pelo capitão Hollanda contava, entre outros, com o 1º tenente médico Pedro Ernesto Póvoa. No dia 26 de outubro de 1977, o psiquiatra foi a um vilarejo chamado Santo Antônio de Ubintuba, no município de Vigia, ouvir relatos de avistamentos e ataques de luzes insólitas.
Na hora de redigir seu relatório, o psiquiatra deu o veredicto: "Histeria coletiva".
"Depois que os fatos ganharam as manchetes dos jornais, militares da Aeronáutica tentaram controlar a imprensa. Diziam que nós, repórteres, estávamos agindo com sensacionalismo e que as notícias publicadas só serviam para causar pânico", afirma o jornalista Carlos Mendes.


A certa altura da operação, agentes do antigo Serviço Nacional de Informações (SNI) foram chamados para ajudar nas investigações.
Jorge Bessa era um dos oficiais do SNI deslocados para Belém. Em seu primeiro dia na Ilha do Mosqueiro, a 80 km da capital, avistou, por volta das 8h da noite, um objeto luminoso.
"Ele piscou três vezes, realizou pequenas manobras e, em seguida, desapareceu em grande velocidade. Não deixou dúvidas de que obedecia a um comando inteligente", relata Bessa, que narrou suas aventuras no livro Discos Voadores na Amazônia , lançado no ano passado. "O fenômeno era visível a todos. Bastava olhar para o céu", diz.

Acervo

Quarenta anos depois, ufólogos ainda tentam ter acesso ao material coletado durante a Operação Prato. "Onde estão as fotos que o capitão Hollanda e sua equipe tiraram? E as filmagens? Que fim levou esse material?", indaga Thiago Luiz Ticchetti, da CBU.
Por intermédio de sua assessoria de imprensa, a Aeronáutica informou que todo o material disponível sobre ovnis já foi encaminhado ao Arquivo Nacional. E mais: não dispõe de profissionais especializados para realizar investigações científicas ou emitir parecer a respeito deste tipo de fenômeno aéreo.
Mas nem sempre foi assim. Entre 1969 e 1972, a Aeronáutica chegou a ter um órgão específico para tratar do assunto. Até ser extinto pelo governo militar, o Sistema de Investigação de Objetos Aéreos Não Identificados apurou mais de 70 casos de avistamentos de discos voadores.

Hoje, o acervo sobre ovnis é um dos mais visitados do Arquivo Nacional. Só nos últimos 30 dias, foram quase 12 mil acessos. Do total de 753 relatórios disponibilizados, material que abrange um período de 63 anos (1952-2015), apenas seis dizem respeito à Operação Prato. Vão de 2 de setembro de 1977 a 28 de novembro de 1978 e englobam 15 municípios do interior do Pará.
"O material disponível para consulta pública é apenas a ponta do iceberg", afirma o ufólogo Edison Boaventura Júnior, presidente do Grupo Ufológico do Guarujá (GUG).
Segundo Gevaerd, a filha do brigadeiro Protásio, uma pedagoga aposentada, é uma das poucas felizardas que tiveram acesso às filmagens ultrassecretas. "Entre outros fatos aterradores, ela cita a nave-mãe pairando sobre o rio Amazonas", alega.

Outra cena impressionante, aponta Edison, é a que revela um ovni submergindo nas águas do rio Tapajós em plena luz do dia. A filmagem, segundo o ufólogo, teria sido feita pelo sargento João Flávio Costa, o braço-direito do capitão Hollanda.
"A única certeza que tenho é que estamos diante de um dos maiores enigmas da ufologia. E mais: os avistamentos não acabaram", diz Edison, alegando que "40 anos depois, discos voadores continuam aparecendo naquela região".

BBC BRASIL.com

O porquê das pessoas começarem a acreditar nos OVNIs 

A década de 1990 era uma marca de alta do interesse público sobre OVNIs e abduções alienígenas. Mostra-se como o The X-Files e falhanço de autópsia alienígena da Fox, foram eventos em horário nobre, enquanto o MIT até hospedou uma conferência acadêmica sobre o fenómeno de abdução.
Mas na primeira década do século 21, o interesse em OVNIs começou a diminuir. Menos observações foram relatadas  e grupos de pesquisa amadores como o British Flying Saucer Bureau dissolvido.
Em 2006, o historiador Ben Macintyre sugeriu no The Times que a internet havia "perseguido" os OVNIs. O intercâmbio gratuito e fácil troca de idéias e informações da web permitiu que os céticos dos OVNI prevalecessem e, para Macintyre, as pessoas já não estavam vislumbrando OVNId porque já não acreditavam neles.

Os dados pareciam apoiar o argumento de Macintyre segundo o qual, quando se acreditava em OVNIs, a razão estava ganhando. Uma pesquisa Gallup de 1990 descobriu que 27% dos americanos acreditavam que "seres extraterrestres visitaram a Terra em algum momento no passado". Esse número subiu para 33% em 2001, antes de retornar para 24% em 2005.
Mas agora o X-Files  está de volta , e Hillary Clinton prometeu divulgar o que o governo sabe sobre extraterrestres se fosse eleita presidente. Enquanto isso, um recente artigo do Boston Globe de Linda Rodriguez McRobbie sugere que a crença em OVNIs pode estar crescendo!
Ela aponta para uma pesquisa Ipsos de 2015 , que informa que 45% dos americanos acreditam que os extraterrestres visitaram a Terra.

Muito por diversos motivos

Por que a sociedade ocidental continua fascinada com o paranormal? Se a ciência não mata automaticamente a crença dos OVNIs, por que os relatos de OVNIs e abduções alienígenas entram e saem da moda?
Até certo ponto, isso é político. Mesmo que os agentes do governo como Homens do Preto possam ser coisas do folclore, pessoas poderosas e instituições podem influenciar o nível de estigma em torno desses tópicos.
Os sociólogos da religião também sugeriram que o ceticismo seja contrariado por uma tendência social diferente, algo que eles apelidaram de "re-encantamento". Eles argumentam que, embora a ciência possa suprimir temporariamente a crença em forças misteriosas, essas crenças sempre retornarão - que a necessidade de acreditar está enraizada na psique humana.

Uma nova mitologia

A narrativa da razão triunfante remonta, pelo menos, ao discurso do sociólogo alemão Max Weber, "A ciência como uma vocação" , de 1918 , na qual ele argumentou que o mundo moderno é considerado que tudo é redutível às explicações científicas.
"O mundo", declarou, "está desenquadrado".
Tal como acontece com muitos eventos inexplicáveis, os OVNI foram inicialmente tratados como um tópico importante da investigação científica. O público se perguntou o que estava acontecendo; Os cientistas estudaram o problema e depois "desmistificaram" o tópico.
A Ufologia moderna - o estudo dos OVNIs - é tipicamente datado de um avistamento feito por um piloto chamado Kenneth Arnold. Ao voar sobre Mount Rainier a 24 de junho de 1947, Arnold descreveu nove objetos semelhantes a discos que a mídia apelidou de "discos voadores".
Poucas semanas depois, o Roswell Daily Register informou que os militares haviam recuperado um disco voador. No final de 1947, os americanos haviam relatado 850 avistamentos adicionais.

A primeira página da edição de 6 de julho de 1947 do Roswell Daily Record. 
Durante a década de 1950, as pessoas começaram a relatar que tinham feito contacto com os habitantes dessas aeronaves. Frequentemente, os encontros eram eróticos.
Por exemplo, um dos primeiros "abduzidos" era um mecânico da Califórnia chamado Truman Bethurum. Bethurum foi levado a bordo de uma nave espacial do Planet Clarion, que ele disse ser capitaneado por uma linda mulher chamada Aura Rhanes . (A esposa de Bethurum finalmente se divorciou dele, citando sua obsessão com Rhanes.) Em 1957, Antonio Villas-Boas, do Brasil, relatou um encontro semelhante no qual ele foi levado a bordo de uma nave e forçado a se reproduzir com uma alienígena.
Psicólogos e sociólogos propuseram algumas teorias sobre o fenómeno. Em 1957, o psicanalista Carl Jung teorizou que os OVNIs serviram uma função mitológica que ajudou as pessoas do século 20 a se adaptarem aos estresses da Guerra Fria. (Para Jung, isso não impediu a possibilidade de os OVNIs serem reais).
Além disso, os costumes sociais americanos mudaram rapidamente em meados do século 20, especialmente em torno de questões de raça, gênero e sexualidade. De acordo com o historiador W. Scott Poole , histórias de sexo com alienígenas poderiam ter sido uma maneira de processar e falar sobre essas mudanças. Por exemplo, quando o Supremo Tribunal finalmente declarou as leis que proibiam o casamento inter-racial inconstitucional em 1967 , o país já falava há anos sobre Betty e Barney Hill , um casal inter-racial que afirmou ter sido abduzido por alienígenas.

Contacte lore também começou a aplicar "idéias científicas" como forma de reembalar algumas das misteriosas forças associadas às religiões tradicionais. O especialista no folclore Daniel Wojcik chamou de crença em civilizações espaciais benevolentes como "tecnológico-milenarismo". Em vez de Deus, alguns crentes de OVNI pensam que formas de tecnologia alienígena serão o que redime o mundo. Heaven's Gate - cujos membros famosos cometiam suicídio em massa em 1995 - era um dos vários grupos religiosos que aguardavam a chegada dos alienígenas.

Você não deve falar sobre isso

Apesar de algumas histórias duvidosas de contactados, a força aérea levou o assunto dos OVNIs a sério, organizando uma série de estudos, incluindo o Project Blue Book , que decorreu de 1952 a 1969.
Em 1966, a força aérea preparou uma equipe de cientistas da Universidade do Colorado encabeçada pelo físico Edward Condon para investigar relatórios de OVNIs. Embora a equipe não tenha identificado 30% dos 91 avistamentos que examinou, o seu relatório de 1968 concluiu que não seria útil continuar a estudar o fenómeno. Condon acrescentou que professores de escolas que permitiram que os seus alunos tivessem acesso a livros relacionados aos OVNIs para crédito em sala de aula e que estavam fazendo uma grave dissimulação para as faculdades criativas dos alunos e capacidade de pensar cientificamente.
Com base nesta decisão sobre o relatório, a força aérea encerrou o Projeto Livro Azul e o Congresso terminou com todo o financiamento para pesquisa de objetos voadores não identificados.

Como o estudioso da religião, Darryl Caterine, explicou no seu livro Haunted Ground:  "Com os tumultos dos direitos civis, os desejos de amor do hippie e os protestos anti-guerra que se espalham por todo o país, Washington deu o seu apoio oficial a um universo racional".
Enquanto as pessoas ainda acreditavam em ovnis, expressar muito interesse no assunto agora veio com um preço. Em 2010, os sociólogos Christopher D. Bader, F. Carson Mencken e Joseph O. Baker descobriram que  69% dos americanos relataram crença em pelo menos um assunto paranormal (astrologia, fantasmas, OVNI, etc.).

O silêncio
Mas as suas descobertas também sugeriram que, quanto mais status e conexões sociais alguém tiver, menos provável ele ou ela deve denunciar uma crença paranormal. As pessoas solteiras relatam mais crenças paranormais do que as pessoas casadas e aqueles com baixos rendimentos relatam mais crenças paranormais do que aqueles com rendimentos mais elevados. 
Pode ser que as pessoas com "algo a perder" tenham razões para não acreditar no paranormal (ou pelo menos não falar sobre isso).

Em 1973, o Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica pesquisou os seus membros sobre OVNIs. Vários cientistas relataram que viram objetos não identificados e alguns até responderam que os OVNIs são extraterrestres ou pelo menos "reais". No entanto, o físico Peter A. Sturrock sugeriu que os cientistas se sentiam confortáveis ​​respondendo a essas questões apenas porque o seu anonimato estava garantido .
O psiquiatra de Harvard John Mack veio simbolizar o estigma da pesquisa de OVNIs. Mack trabalhou em estreita colaboração com os abduzidos, a quem apelidou de "experientes". Enquanto ele permanecia investigando sobre se os extraterrestres realmente existiam, defendeu os vivenciadores e argumentou que as suas histórias deveriam ser levadas a sério.
Os seus chefes não estavam felizes. 
Em 1994, Harvard Medical School abriu uma investigação sobre a sua pesquisa - uma ação sem precedentes contra um professor titular. No final, Harvard deixou cair o caso e afirmou a liberdade acadêmica de Mack. Mas a mensagem era clara: ser de mente aberta sobre vida extraterrestre seria prejudicial para a vida e carreira de alguém.

Razão e re-encantamento

Então, se Hillary Clinton Ex. candidata a presidente, por que ela fala sobre OVNIs?
Parte da resposta se deve ao Clintons terem vínculos com uma rede de pessoas fluentes que pressionaram o governo para divulgar a verdade sobre OVNIs. Isso inclui o falecido milionário Laurence Rockefeller (que financiou a pesquisa de John Mack) e John Podesta, o presidente da campanha de Clinton e um advogado de divulgação de longa data.
Mas também pode haver um ciclo cultural mais amplo no trabalho. Sociólogos como Christopher Partridge sugeriram que o desencanto leva ao reencantamento. Embora a secularização possa ter enfraquecido a influência das igrejas tradicionais , isso não significa que as pessoas se tornaram cépticas desencantadas. Em vez disso, muitos exploraram espiritualidades alternativas que as igrejas anteriormente estigmatizaram como "superstições" (tudo, desde a cura holística até profecias maias). 

O surgimento da autoridade científica pode ter paradoxalmente o caminho para a mitologia OVNI.
Uma mudança semelhante pode estar ocorrendo na esfera política onde a linguagem do pensamento crítico foi transformada contra o estabelecimento científico. Na década de 1960, o Congresso adiou o Relatório Condon. Hoje, políticos conservadores regularmente desafiam idéias como a mudança climática, a evolução e a eficácia das vacinas. Esses dissidentes nunca enquadram as suas reivindicações como "anti-ciência", mas sim como exemplos corajosos de indagação gratuita.

Donald Trump pode ter sido o primeiro candidato a descobrir que idéias esquisitas agora são um bem em vez de um passivo . Em um clima político onde o idioma da razão é usado para atacar a autoridade da ciência, meditar sobre a possibilidade de OVNI simplesmente não carrega o estigma que costumava fazer.
Joseph P. Laycock , Professor Assistente de Estudos Religiosos, Texas State University

O quê ou quem está por detrás dos OVNIs?

Quem está por detrás, ou melhor, por, objetos voadores não identificados?
Projetos secretos militares, alienígenas, viajantes do tempo? "Apenas 5% de todas as observações são objetos não identificados", diz o ufólogo austríaco Tarek Al-Ubaidi numa entrevista com a Alemanha Sputnik que falou sobre o assunto.
"As pessoas a todo o momento observam objetos luminosos no céu", disse Tarek Al-Ubaidi, especialista em OVNIs e apresentador da rádio Áustria. No seu programa de CROPfm , ele levantou o assunto com vários interlocutores e agora a convite da Sputnik Alemanha fala um pouco sobre o tema ovni.

Aviões de combate da NATO perseguindo  ovnis no céu belga

"Não é necessário negar totalmente o fenómeno OVNI", disse M.Al-Ubaidi. "Na maioria dos casos a observação de OVNIs, por exemplo, durante a onda OVNI belga que teve lugar entre 1989 e 1992, há milhares de provas documentadas. Há entre eles policiais, soldados ou pilotos da aviação civil. Ou seja testemunhas confiáveis. "


Em março de 1990, o exército do ar belga notou no radar de uma estação de monitoramento da NATO, "objetos estranhos" entrar no espaço aéreo da Bélgica. Em resposta, um F-16 descolou da base militar de Beauvechain, mas não conseguiu interceptar o alvo. O objeto não identificado acelerou e desapareceu. De acordo com os pilotos, os objetos se moviam "muito mais rapidamente" do que os aviões de guerra da Aliança. De acordo com estimativas militares, o objeto realiza uma aceleração dos 240 a 1770 km / h em dois segundos.

Estes 5% dos casos de avistamentos de objetos voadores que existem

Claro, é possível que os eventos não identificados ocorrem no céu por um tempo, diz o apresentador de rádio.
"Apenas cerca de 5% de todos os avistamentos de OVNIs registados no mundo anualmente, pode ser chamado OVNI, porque esses objetos voadores não são identificados, apesar das informações e dados disponíveis, tais como a avaliação da altura do vôo o reflexo da luz etc. "
Tal como para os restantes 95%, foi possível identificar por meio de quantidades adequadas de informações disponíveis. Normalmente, eles acabam por ser aviões, satélites, meteoros e detritos espaciais, disse M.Al-Ubaidi. Mas esses 5%, são realmente "emocionante":
"Não há necessidade de provar nada há países que já revelaram os seus arquivos como o Reino Unido ou a França, que pode ter documentado casos de observação OVNI que não foram explicados."

Quais são as origens de OVNIs?

De acordo com o interlocutor da Rádio, os OVNIs não são necessariamente naves ou extraterrestres nada "prova essa hipótese sobre a origem deste fenômeno"
"Por exemplo, eles podem até ser alienígenas ou viajantes do tempo, ou intraterrenos. O facto do que observamos não prova nada. "
Só temos observação visual.
"Para mim, após estes anos de pesquisa, a resposta a esta questão permanece completamente aberta. Ainda não sei o que está por detrás dos OVNIs e irei investigar o assunto de uma forma científica e objetiva ", diz o austríaco, acreditando que os OVNIs poderia ser um fenómeno de um universo multidimensional.

Fr.SputnikNews.com 

domingo, 6 de agosto de 2017

Objeto Luminoso Voador Não Identificado na Quinta do Conde e Seixal


Na noite 4 de Agosto pelas 22 horas era observado algo de inusitado por duas testemunhas da qual se encontravam afastadas por 11 quilômetros entre ambas.
Ora veja.

https://youtu.be/kdPgmZ1z0Rg

Chamo-me Ana Anjos e resido na Quinta do Conde.
Hoje cerca das 22 horas, desloquei-me ao meu quintal e ao observar o céu vejo duas luzes que piscavam entre o branco e o vermelho e voavam lado a lado, a pouca distância uma da outra, sem emitir qualquer som vindas da zona da serra da Arrábida. Fui rapidamente buscar o telemóvel para filmar mas sem qualquer sucesso. Entretanto de outra zona mais afastada surge outra luz idêntica a piscar branco e vermelho que se deslocava muito rapidamente. Também não consegui filmar esta luz. Surgiu entretanto outra luz no céu sendo que esta já consegui apanhar na filmagem.
Os 3 primeiros objectos vinham da zona da Arrábida sentido norte. Os 2 primeiros vinham em voo paralelo. O terceiro surgiu de repente a piscar mas quando o tentei filmar apagou as luzes e voltou a aparecer noutro sítio bem mais à frente sentido sul norte.
O que eu consegui filmar dirigir-se sentido Este/Oeste Arrábida/mar.
Foi filmado com um Sansung Galaxy Grand Neo Plus em modo noite, pois de outra forma não conseguia apanhar imagem nenhuma.
O que seriam estas luzes?

Flávio - Seixal:Boa noite estou aqui para relatar que vi um objeto voador,não é primeiro avistamento que tenho,sei o que vi,estava em cavadas (seixal) estava na rua,era por volta 23h09 o objeto estava inicialmente parado,como uma estrela,depois foi andando e acabou por desaparecer,gostava que voces informassem a força aerea se por volta desta hora passou algum objeto não identificado.

Após uma verificação, constatamos a inexistência de aeronaves e também satélites perante a data e hora.
Terá sido negado qualquer voo de aeronaves militares perante a própria FAP.


A única aeronave presente estaria ligeiramente afastada do local com deslocação inversa ao referenciado pelas testemunhas!


O UFO Portugal Network procura por mais informações, testemunhas que tenham presenciado, observando ou registado o fenómeno.
Não descartamos a possibilidade de um Drone ou mesmo lanterna chinesa.

É possível observar o objeto num voo relativamente baixo.

Vídeo realizado por Euclides Santana em Leiria na madrugada 4 de Agosto



O programa café duplo com o professor Joaquim Fernandes, Historiador; Filósofo; Cofundador do CTEC – Centro Transdisciplinar dos Estudos da Consciência (Universidade Fernando Pessoa).

Grande intervenção do Prof. Joaquim Fernandes, com o mistério de Fátima e o fenómeno OVNI.


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Pesquisa revela que metade dos americanos acreditam em extraterrestres

Quase metade dos americanos acredita em alienígenas, e quase tantos acreditam que extraterrestres estão visitando a Terra, de acordo com uma nova pesquisa. Menos de 20% acreditam em abduções alienígenas, e ainda menos afirmam ter visto um OVNI.

O 20th Century Fox Home Entertainment encomendou a pesquisa como parte da sua campanha promocional para a versão Blu-ray do filme "Phoenix Forgotten". O filme é um conjunto de suspanse de ficção científica durante o avistamento em massa de OVNI em Phoenix, em 1997, a que se refere Como "The Phoenix Lights". O filme foi produzido por Ridley Scott, cujo produtor e diretor de créditos incluem "Alien" e "The Martian".
O fenômeno Phoenix Lights, de 13 de março de 1997, nos levou a apresentar uma pesquisa para descobrir o que os americanos pensam sobre alienígenas", disse um representante do 20th Century Fox Home Entertainment ao OpenMinds.tv. "Da nossa pesquisa, descobrimos que quase metade (47%) acredita em alienígenas, mas menos de um quinto acha que já viu um OVNI ou alienígenas".

Mais de 1.700 americanos participaram na pesquisa conduzida pela empresa de comunicação e relações públicas Cohn e Wolfe.
Entre os achados interessantes da pesquisa, foi que cerca de 39% "acreditam que os extraterrestres visitaram a Terra à imenso tempo". Apenas 18% acreditam em abduções alienígenas.
Em relação aos ovnis, apenas 16,74% dos entrevistados alegaram ter visto um.
24/7 Wall St. publicou uma história em maio sobre os estados com mais avistamentos de OVNI , com base em avistamentos por 100.000 habitantes.
Para determinar os estados com mais avistamentos de OVNIs, 24/7 Wall St. analisou os avistamentos de 2001 a 2015 em dados da Cheryl Costa "UFO Sightings Desk Reference: Estados Unidos da América 2001-2015: formas de distribuição de frequência de objetos não identificados".

Vermont teve o máximo, com 80.7 avistamentos por 100.000 pessoas. Os cinco estados com mais visões por 100.000 pessoas estão no noroeste do Pacífico ou na Nova Inglaterra, áreas associadas a florestas espessas e que são escassamente povoadas. O Mississippi teve o menor número, com 21,3 avistamentos por 100 mil pessoas.
Quanto ao Arizona, o estado foi sexto na lista, com 68,2 avistamentos por 100 mil pessoas.

Outras pesquisas recentes descobriram que a maioria das pessoas acredita que a vida inteligente existe além da Terra. A maioria dos americanos, britânicos e alemães pensa que existe uma vida alienígena inteligente. Essa pesquisa, realizada pela empresa de pesquisa de mercado YouGov há dois anos, achou que os alemães provavelmente acreditariam, em 56%, seguidos de americanos e britânicos, em 54% e 52%, respectivamente.
E você no que acredita?

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Vídeo: Entusiastas filmam OVNI no Canadá

Entusiastas registam em vídeo anomalia atmosférica ou um ovni!

Ovni é filmado perto do Stawamus durante pesquisa para documentário de uma equipe de pesquisa de fenómenos anómalos.
Rob Freeman e Marcus McNabb viajaram por 11 países e 30 cidades nos últimos três anos, determinados a registrar o que está lá fora, depois de ter sido inspirado numa experiência de infância. 
Freeman, investigador de campo do Centro para o Estudo Científico de Anomalias Atmosféricas, disse que o avistamento é a melhor filmagem que gravaram até o momento.

 "Este é um caminho tão fascinante sobre o qual estamos", disse Freeman. "A maioria das pessoas não tem idéia do que está acontecendo no mundo".
Para recolher dados, a equipe usou a tecnologia de imagem noturna que abrange o espectro eletromagnético para ver o visível e o invisível, bem como uma câmera chamada "arma de detecção em massa".
Quando a equipe chegou a Squamish no dia 22 de julho, um estranho numa loja da Britannia, lhes disse que existem coisas estranhas luminosas.
Quando a noite caiu, entraram na floresta. Logo depois, viram uma esfera gigante de luz que atravessou o céu e desceu na floresta. 
"No início, pensamos que era um avião", disse Freeman. "Não havia absolutamente nenhum som ... então nós absolutamente sabíamos que não era avião".

O avistamento foi breve, mas Freeman gravou cerca de 10 segundos depois de averiguar os equipamentos. 
"As árvores atrás do orbe estavam todas iluminadas", explicou. "Isso significa que estava na frente das árvores".
Ambos planearam a viagem a BC especificamente para conhecer Charles Lamoureux, um Skywatcher on-line residente em Vancouver, conhecido nas notícias locais.
Lamoureux documenta os fenômenos inexplicáveis, muitas vezes vendo eles se deslocam sobre Cypress em direção a Horseshoe Bay. Ele fez seu próprio filme, Nocturo, e atualmente está a trabalhar com SFU um programa paranormal.
Os orbs ou OVNIs podem variar em tamanho, conhecido para piscar âmbar ou luz branca, explicou. A 20 de julho, o grupo rastreou um OVNI com engrenagens térmicas do Vanier Park em direção às montanhas.
Lamoureux sugeriu ir a Squamish, embora não tenha saído naquela noite devido à chuva. 

"As pessoas realmente viram os orbes ou as esferas luminosas".
Lamoureux ficou desapontado com a falta de observação. Ele verificou o vídeo que a equipe enviou imediatamente, confirmando que não era um avião, um drone, um satélite ou um meteoro, depois que tais rotas documentadas YVR não foram encontradas.  
A Mutual UFO Network, uma organização internacional originária de 1969 que recolhe e pesquisa dados específicos para a observação do céu, disse que é uma metragem incrível. 
"Este é o vídeo de um OVNI mais claro até agora neste ano", respondeu o porta-voz. 

"O chefe é uma montanha sagrada", disse Freeman. "As luzes são encontradas em locais antigos como o Peru ou a Noruega. Seja como for, em cada país em cada expedição, temos algo ".

www.squamishchief.com



Seres humanos podem ter vindo de outra galáxia

De acordo com os cientistas, na realidade os seres humanos deveriam se considerar como “viajantes espaciais” ou “imigrantes extragalácticos”. Esses cientistas fizeram um estudo que alega que nós viemos de algum lugar, fora da Via Láctea.

Cientistas e astrofísicos da Northwestern University alegam que quase metade da matéria que compõe nossa galáxia e nosso próprio corpo veio de galáxias distantes.

Eles usaram grandes computadores para simular um modelo que demonstram como a matéria é transferida entre galáxias.

As supernovas ejetam grandes quantidades de gás nas galáxias, o que faz os átomos serem transportados de uma para outra, através de fortes ventos galácticos.

Mais da metade dos átomos que existem dentro dos nossos corpos pode vir de outras galáxias, localizadas a milhões de anos-luz de distância.

“Dado que grande parte da matéria que compõe nosso corpo pode ter vindo de outras galáxias, podemos nos considerar viajantes espaciais ou imigrantes extragalácticos”, disse Daniel Anglés Alcázar, aluno de pós-doutorado do Centro de Astrofísica da Northwestern University, e responsável pelo estudo.

“É provável que grande parte da matéria da Via Láctea tenha vindo de outras galáxias, expulsa por fortes ventos e viajando através do espaço intergaláctico, até finalmente encontrar um novo lar na Via Láctea”.

As galáxias se encontram separadas, a grandes distâncias entre si, então, embora os ventos galácticos soprem a uma velocidade de centenas de quilômetros por segundo, esse processo ocorreu vários milhares de milhões de anos atrás.

Yahoo Notícias

terça-feira, 1 de agosto de 2017

NASA: Vida Extraterrestre Improvável "Discórdia Científica"


Diferentes cientistas, departamentos, diferentes resultados e muita generalização na opinião dos diversos.
Vida improvável ou provável eis a questão!

A apenas a quatro anos-luz de distância, Proxima b é o nosso vizinho ultra-conhecido mais próximo.
Nova Deli News: a busca por vida extraterrestre dura há anos e aqueles que estão envolvidos na caça de alienígenas ou caça aos OVNIs geram muitas especulações, aproximam-se o suficiente para fornecer evidências que justificam a sua presença.

Nos últimos anos, cientistas descobriram uma infinidade de planetas fora do nosso sistema solar e um dos primeiros aspectos que eles aprofundam é a sua habitabilidade.
Um desses planetas que foi cuidadosamente estudado para uma possível existência extraterrestre é Proxima b - o exoplaneta mais próximo da Terra.
No entanto, a agência espacial norte-americana NASA anulou todas as esperanças de encontrar presença alienígena no planeta dizendo que a atmosfera de Proxima b - o planeta de tamanho Terra bem fora do nosso sistema solar na zona habitável da sua estrela - poderia ter sido destruída por Radiação Solar, reduzindo o seu potencial de habitabilidade.

A apenas a quatro anos-luz de distância, Proxima b é o nosso vizinho ultra-solar conhecido mais próximo. No entanto, devido ao fato de que não foi visto cruzando em frente à sua estrela hospedeira, o exoplanet escapa ao método usual para a prender sobre sua atmosfera.
Em vez disso, os cientistas devem contar com modelos para entender se o exoplaneta é habitável.
Um desses modelos de computador considerou o que aconteceria se a Terra orbitasse Proxima Centauri, nosso vizinho estelar mais próximo e estrela hospedeira de Proxima b, na mesma órbita que Proxima b.
O estudo da NASA, publicado no The Astrophysical Journal Letters, sugere que a atmosfera da Terra não sobreviveria numa estreita proximidade com o anão vermelho violento.

"Nós decidimos tomar o único planeta habitável que conhecemos até agora - Terra - e colocá-lo onde Proxima b", disse Katherine Garcia-Sage, cientista espacial do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, e autor principal de o estudo.
Só porque a órbita de Proxima b está na zona habitável, que é a distância da sua estrela de acolhimento, onde a água pode se alocar na superfície de um planeta, não significa que seja habitável.
Não leva em conta, por exemplo, se a água realmente existe no planeta, ou se uma atmosfera poderia sobreviver naquela órbita.

As atmosferas também são essenciais para a vida, tal como a conhecemos: ter a atmosfera certa permite a regulação do clima, a manutenção de uma pressão superficial favorável à água, a proteção do clima espacial perigoso e a habitação dos blocos químicos de vida.
Garcia-Sage e o modelo de computador de seus colegas usaram a atmosfera terrestre, o campo magnético e a gravidade como proxies para Proxima b's.
Eles também calcularam a quantidade de radiação que Proxima Centauri produz em média, com base em observações do Observatório de raios-X Chandra da NASA.

Com esses dados, o seu modelo simula como a radiação intensa da estrela hospedeira e a queima freqüente afetam a atmosfera do exoplaneta.
Os cientistas determinaram que, na zona habitável de Proxima Centauri, Proxima b encontra ataques de radiação ultravioleta extrema, centenas de vezes maior do que o Sol faz à Terra.
Essa radiação gera energia suficiente para retirar não apenas as moléculas mais leves - hidrogênio - mas também, ao longo do tempo, elementos mais pesados, como oxigênio e nitrogênio, disse o estudo.

O modelo mostrou que a poderosa radiação de Proxima Centauri drena a atmosfera terrestre até 10.000 vezes mais rápido que o que acontece na Terra.
"As coisas podem se interessar se um exoplaneta se mantém na sua atmosfera, mas as taxas de perda atmosférica da Proxima b aqui são tão altas que a habitabilidade é implausível", disse Jeremy Drake, um astrofísico do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics e co-autor da estude.

Enquanto os cientistas da NASA criam estas informações ao público, cientistas de outras áreas privadas discordam e apontam a existência de vida alienígena numa outra vertente! "A vida se adapta ao seu meio existente".

Cientistas britânicos acreditam ter encontrado na atmosfera vida com origem extraterrestre. Estão convencidos de que uma série de microorganismos voadores na estratosfera, a 27 quilómetros de altura, não podem ser provenientes do planeta Terra.

Um grupo de investigadores da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, afirma ter encontrado na atmosfera do nosso planeta formas de vida extraterrestre depois de analisados os dados recolhidos por uma sonda enviada à estratosfera. Os resultados desta investigação foram publicados no Journal of Cosmology.
Milton Wainwright, do Departamento de Biologia Molecular e Biotecnologia da Universidade de Sheffield e diretor do estudo, está convencido de que uma série de microorganismos voadores existentes na estratosfera, a 27 quilómetros de altura, no podem proceder do nosso planeta.

"A maioria das pessoas dirá que estas partículas biológicas devem, forçosamente, ter proveniência da Terra mas é sabido que uma partícula das que encontrámos não pode elevar-se desde a Terra até tal altitude. A única exceção seria ter ocorrido uma violenta erupção vulcânica (que empurra essas partículas para cima), mas nada disso sucedeu durante os três anos em que recolhemos as nossas amostras", explicou.
A sonda - uma espécie de balão concebido para ir até à estratosfera - possuía lâminas de microscópio que só foram expostas à atmosfera a 27 quilómetros de altura.
Na verdade a vida alienígena pode estar mais próxima do que o ser humano julga.
Num mundo de políticas incorrectas, mentiras e fraudes de interesses políticos, religioso ou poder.

Dr. Robert Trundle, Universidade do Norte de Kentucky.

Professor de filosofia e autor do livro "Estariam os extraterrestres aqui?
Não politicamente, mas sim cientificamente e teologicamente", Dr. Robert Trundle disse ao jornal The Post: "Os alienígenas existem a partir de uma perspectiva pública? Não, porque o governo tem medo do choque cultural e do pânico público".
Ainda complementou: "Para o governo reconhecer a existência de seres extraterrestres, ele iria acabar por admitir que não pode nos consegue proteger deles. Cientificamente, eu argumento que milhares de relatos de testemunhas não podem ser simplesmente descartados. Estou falando de pilotos e astronautas que se manifestaram, mesmo sabendo que isso significaria que eles tivessem de passar por exames psiquiátricos como resultado direto".

Os cientistas da Universidade McMaster acreditam que extraterrestres com o mesmo nível de tecnologia que nós poderiam encontrar a Terra dessa forma, se é que já não o fizeram.

Eles sugerem ainda que foquemos os nossos esforços na busca por vida extraterrestre utilizando esse método. No caso, buscar sinais de comunicação na zona de trânsito da Terra – a passagem do planeta em frente ao Sol pode ser detectada em qualquer lugar na Via Láctea.
"Mesmo que a nossa espécie escolha ficar quieta em relação ao contacto interestelar, não podemos nos esconder de observadores da zona de trânsito da Terra, caso eles existam", escrevem os pesquisadores.


Se OVNIs não existem ou Extraterrestres, então o que nos visita, o que é registado por Satélites, observado por militares, astronautas e mesmo algumas figuras públicas e políticas?



QUATRO PIONEIROS PORTUGUESES DOS MISTÉRIOS DO COSMOS

Prof. Joaquim Fernandes
Veja por aqui uma súmula do pensamento criativo destes nossos inovadores que anteciparam novas ideias e descobertas do Infinitamente Grande.
Descubra-os na obra "Moradas Celestes. O Imaginário Extraterrestre na Cultura Portuguesa" (Lisboa, Âncora Editora).    

1. O pioneiro da noção de gravidade: António Luís (n. Lisboa, ca.1480 – m. 1565). o texto que consta do Proémio do Livro Segundo da obra De Occultis Proprietatibus, publicado por António Luís em 1540: “É esta força a que liga com invisíveis laços o mundo, fazendo que todas suas partes, posto que situadas a grandíssimas distâncias, se contenham em seus lugares, e deles se não arredem”.
2. O padre António Vieira, o famoso pregador e “ imperador da língua portuguesa”, não acreditou que o céu fosse azul antes da primeira explicação científica fundamentada para tal facto: a cor azul do céu foi dado pelo físico inglês John Tyndall (1820-1893), em 1869, ao estudar o espalhamento de um feixe de luz por um meio contendo pequenas partículas suspensas.
3. 3. O clérigo teatino Rafael Bluteau (1638-1734) que nasceu em Londres mas se tornou português afetivo, antecipou a existência dos satélites de Marte, antecipando-se ao próprio Jonathan Swift que, em 1727 falara neles na sua descrição das Viagens de Gulliver. De facto, Bluteau no tomo V do seu Vocabulário português e Latino, no verbete relativo a Marte, com data de 1716 alude aos satélites. Ou seja, 11 anos antes da antecipação ficcionada de Swift e 161 anos antes da observação óptica de Asaph Hall.
4. A Marquesa de Alorna, aka Leonor de Almeida (1750-1839), a futura “Stael Portuguesa”, com aplauso de Herculano, foi cultivando uma poesia didática e científica durante o seu cativeiro do Convento de Chelas. Nessa cumplicidade cósmica, tecida num secreto enlace entre os organismos mais simples aos mais complexos, revela-se uma primeira cultora da tese da transmigração das almas e da reencarnação, quando sonha peregrinar, de “estrela em estrela”, depois de deixar este mundo.